A vida e a fé de Bonhoeffer

bonhoefferHá 71 anos atrás, no dia 9 de Abril de 1945, morria Dietrich Bonhoeffer no campo de concentração nazista de Flossenburg, sob a acusação de ter participado de uma conspiração contra o regime de Adolf Hitler. Bonhoeffer era um pastor luterano, nascido na Alemanha, teólogo, membro da resistência alemã anti-nazista e fundador da igreja evangélica que fazia oposição à política nazista, a Igreja Confessante

Sua convicção cristã e sua firme fé em Deus não o permitiram ficar calado e passivo diante da opressão de Hitler e do regime nazista. Ele estava nos Estados Unidos, e depois de orar e refletir sobre tudo o que estava acontecendo na Alemanha, ele decide deixar os Estados Unidos em 1931 e se unir aos seus compatriotas alemães para lutar contra a ditadura implantada pelo nazismo. Eis sua carta de despedida escrita para o professor Reinhold Niebuhr:

Sentado no jardim do seminário, tive tempo de pensar e orar no que se refere à minha situação e a da minha nação, obtendo algumas luzes sobre a vontade de Deus. Cheguei a conclusão que cometi um erro em vir para os Estados Unidos. Nesse período difícil da história da minha pátria, devo viver junto com o meu povo. Não terei o direito de participar da reconstrução da vida cristã na Alemanha depois da guerra se não tiver compartilhado com meu povo as provas desse período. Os cristãos alemães terão que enfrentar a terrível alternativa de desejarem a derrota de sua pátria para a salvação da civilização cristã ou de desejarem a vitória de sua pátria e, conseqüentemente, a destruição de nossa civilização. Eu sei a escolha que devo fazer, porém não posso fazê-la e manter-me ao mesmo tempo em segurança.

De volta à Alemanha, Bonhoeffer lutou, ajudou muitos judeus a fugirem para não morrerem nas mãos de Hitler, foi perseguido, e em 1943 foi preso pelo regime nazista. Na prisão, ele escreveu cartas que são preciosidades para a teologia cristã, e em 1945 foi enforcado. Eis como foram narrados seus últimos momentos:

Na manhã do tal dia, em redor das 5 ou 6 horas, os presos foram tirados de suas celas e lhes foram lidas as sentenças do Conselho de Guerra. Pela porta entreaberta na barraca onde tiraram os uniformes, vi o pastor Bonhoeffer, ajoelhado, em íntima oração a seu Senhor Deus. A forma de orar, de total entrega e na certeza de ser ouvido, desse homem extremamente simpático me comoveu o mais profundamente possível. Também no local da execução ele ainda fez uma pequena oração e então subiu corajosa e calmamente os degraus do cadafalso. A morte aconteceu poucos segundos depois. Em meus quase cinquenta anos de atividade médica, nunca tinha visto alguém morrer de forma tão confiante em Deus. (“Liberdade para viver”, Manfred Weber, org. Ed. Sinodal, p. 93).

Eis algumas frases que Bonhoeffer escreveu enquanto lutava, era perseguido e sofria nas mãos dos nazistas:

Jesus Cristo, e não homem algum ou o Estado, é o nosso único Salvador“.

A graça barata é inimiga mortal de nossaIgreja. A nossa luta trava-se hoje em torno da graça preciosa que é um tesouro oculto no campo, por amor do qual o homem sai e vende tudo que tem (…) o chamado deJesus Cristo, ao ouvir do qual o discípulo larga suas redes e segue (…) o dom pelo qual se tem que orar, a porta a qual se tem que bater“.

Creio que Deus não é um mero fato independente de todos os tempos, mas que ele espera por oração sinceras e ações responsáveis e as responde“.

A ação não surge do pensamento, mas de uma disposição para assumir responsabilidades“.

Creio que Deus de tudo, mesmo do mal, pode e quer fazer surgir o que é bom. Para isso Ele precisa de homens que façam o melhor uso de todas as coisas“.

Nós aprendemos, de uma vez por todas, a ver os grandes eventos da história do mundo de baixo para cima, das perspectivas dos proscritos, suspeitos, maltratados, impotentes, oprimidos e injuriados – em resumo, da perspectiva daqueles que sofrem“.

A vida de Bonhoeffer nos remete ao apóstolo Paulo e nos encoraja a sairmos do nosso conforto para vivermos de fato a vida cristã na prática, sem nos importar com as consequências, crendo que em Cristo a vida eterna está segura e garantida.

De todos os lados somos pressionados, mas não desanimados; ficamos perplexos, mas não desesperados; somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos. Trazemos sempre em nosso corpo o morrer de Jesus, para que a vida de Jesus também seja revelada em nosso corpo. Pois nós, que estamos vivos, somos sempre entregues à morte por amor a Jesus, para que a sua vida também se manifeste em nosso corpo mortal. De modo que em nós atua a morte; mas em vocês, a vida. (2 Coríntios 4:8-12)

Thiago Machado Silva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s